Seleção, recolha, tratamento e análise de dados quantitativos

A escolha das técnicas de seleção, pesquisa, tratamento e análise de dados quantitativos é fundamental para qualquer tipo de investigação. É importante garantir escolhe os procedimentos e as técnicas mais adequadas aos seus dados, à natureza das variáveis, aos objetivos e às hipóteses da pesquisa. Estes tópicos farão parte do desenho metodológico do estudo. Nesta parte devem ser descritos e justificados os procedimentos e as técnicas de seleção da amostra; de recolha dos dados; os procedimentos para o tratamento dos dados empíricos (técnicas de classificação e codificação dos dados) e as técnicas de análise quantitativa.

Para a Seleção dos Dados Quantitativos recorremos às técnicas de amostragem.

1. Técnicas de Amostragem

  • Amostragem probabilística (por processo aleatório)
  • Amostragem não probabilística (por conveniência do investigador, ou por critério pessoal e subjetivo da população)

A Recolha dos Dados quantitativos pode ser feita através de diferentes técnicas de pesquisa.

2. Técnicas de Recolha de Dados Quantitativos:

  • Inquérito por Questionário
  • Inquérito por Entrevista
  • Testes Psicométricos
  • Escalas de Avaliação
  • Testes Formais

Numa fase posterior, o Tratamento dos Dados permite codificar, categorizar e agrupar os dados numa Base de Dados, onde se regista o comportamento das variáveis em estudo.

3. Técnicas de Classificação/ Codificação de Dados Quantitativos

  • Escala nominal ou ordinal
  • Escala intervalar ou absoluta
  • Valores discretos ou contínuos.

Depois de preparados e organizados os dados da pesquisa, estão reunidas as condições para se avançar para a análise exploratória e inferencial (se for o caso), através dos Procedimentos e das Técnicas Estatísticas: descritivas, de associação, de correlação, ou modelação, por exemplo.

4. Procedimentos e  Técnicas Estatísticas

  • Análise Exploratória dos Dados
  • Estudo da Normalidade e da Variância
  • Estatísticas de Localização, Dispersão e Variabilidade
  • Caraterização de Amostras Univariadas
  • Caraterização de Amostras Bivariadas e Multivariadas (Crosstabs)
  • Testes de Associação, Correlação e Testes de Hipóteses
  • Modelos Estatísticos
  • Análise Fatorial Exploratória e Confirmatória

Como saber qual a abordagem mais adequada ao seu estudo?

analise-tratamento-dadosPrimeiro terá de definir qual o problema/ problemática/ questão de estudo e os objetivos da sua análise. Dependendo da natureza (de estudo de caso, estudo amostral quantitativo ou qualitativo) da investigação, vai aplicar as técnicas de seleção, recolha, tratamento e análise dos dados adequadas à natureza do problema e, portanto, dos dados empíricos. Se tem dúvidas envie-nos uma mensagem para: geral@analise-estatistica.pt

Técnicas e Instrumentos de Recolha de Dados

Recolha-de-dados-analise-estatistica.pt

Existem 4 técnicas de recolha de dados que podem ser implementadas através de diferentes instrumentos de pesquisa.

As técnicas e instrumentos a aplicar dependem de estudo para estudo e, sobretudo, dos objetivos de cada pesquisa.

Técnicas de Recolha de Dados:

  • Inquérito por questionário;
  • Inquérito por entrevista;
  • Observação;
  • Análise documental.

Instrumentos de Recolha de Dados:

  • Questionários
  • Guião de entrevista;
  • Análise de conteúdo;
  • Análise estatística / análise quantitativa;
  • Diário do investigador;
  • Ficha de leitura.

6 Técnicas para a Análise de Conteúdo

analise de dados estatísticos

Existem Seis Técnicas de Análise de Conteúdo possíveis de aplicar em estudos de diferentes áreas (sociologia, psicologia, educação, recursos humanos, jornalismo, publicidade, etc.).

As seis técnicas de análise de conteúdo distinguem-se com base nos elementos do discurso, a sua forma ou as relações entre estes elementos. São elas:

  • Análise de categorias
  • Análise de avaliação
  • Análise da expressão
  • Análise da enunciação
  • Análise proposional do discurso
  • Análise estrutural ou análise das relações

Análise de categorias

É mais antiga e a mais corrente. Consiste fazer um levantamento das categorias mais frequentes, agrupando certas caraterísticas em categorias significativas. Este tipo de análise baseia-se na hipótese de que uma caraterística é tanto mais frequentemente citada, quanto mais importante é para o locutor. Neste caso, o procedimento utilizado é sobretudo quantitativo.

Análise estrutural ou análise das relações

Integram a denominada análise semiótica do discurso, enquanto o estudo dos signos. Integrada na análise estrutural, temos a análise semiótica dos signos que permite a análise de documentos com o propósito de identificar o significado profundo dos fenómenos estudados.

Análise semiótica

Estuda o processo de construção de significados para saber como os signos são desenhados para exercerem o efeito sobre os destinatários da mensagem. Outras abordagens qualitativas são inductive analysis, a grounded theory, a análise normativa e a análise de conteúdo etnográfica (uma abordagem de documentos que enfatiza o papel do investigador na construção do significado).

Análise estrutural

Tem como objetivo revelar os princípios que organizam os elementos do discurso, independentemente do próprio conteúdo destes elementos. Assim, o fim último deste tipo de análise consiste em descobrir uma ordem oculta sobre o funcionamento do discurso e elaborar um modelo operatório abstrato para estruturar o discurso e torná-lo inteligível.

Análise de conteúdo

É uma técnica de investigação que permite a descrição sistemática, objectiva e quantitativa do conteúdo das comunicações. Pode ser aplicada a variados campos, como a imprensa, discursos políticos, diários, estudos bíblicos, respostas a perguntas abertas, etc.

Para saber mais sobre esta técnica pode ler a nossa página sobre o tema: Aqui.